quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Quando os jogos multiplataforma fazem falta... e muita em uma plataforma.


Um dos componentes mais lógicos no mercado de videogames são os jogos. Até mesmo uma criança de cinco anos de idade sabe que, se algum brinquedo eletrônico não tem jogos que agradam, ela não pedirá ao papai ou a mamãe para comprar e assim pode se divertir e esnobar com todos os amiguinhos reunidos na sala de estar em uma tarde de sábado. Mais do que isso, o sinônimo do mercado de videogames hoje é muito mais amplo, pois as crianças cresceram; se tornaram homens e mulheres que ainda adotam a idéia de um bom tempo a frente TV liderando exércitos contra batalhas épicas, enfrentando zumbis ou até mesmo atravessando plataformas e fases cheia de desafio apenas para o divertimento. E, nesse mercado que agora é multimilionário e que arrecada até mais do que o cinema, a 8° Arte deixa um legado importante que será exposto neste breve artigo. Até quando o termo “exclusivo” consegue segurar a expectativa do público, em um meio que agora é tão conectado, tão multifacetado que não pertencer ou pelo menos ser considerado inferior já cria barreiras terríveis para o sucesso de plataformas e a tristeza de seu fim.


E sim, se você reparou nas últimas palavras do parágrafo anterior, me refiro a ninguém menos do que o Nintendo Wii U... A toda a Nintendo na verdade. Tudo pelo simples motivo: tanto o console de mesa quanto até mesmo sua plataforma mais rentável, o portátil 3DS não possui sequer o apoio das chamadas empresas Third-Parties, que aqui chamarei carinhosamente de terceirizadas. Na outra ponta pela disputa do mercado, temos Sony e Microsoft que, além de ter seus próprios jogos exclusivos, lutam, digladiam-se por cada dólar, euro, real ou yene com políticas que vão desde a facilidade de conversão de jogos as suas plataformas até mesmo ao pagamento de exclusividades temporárias. A questão aqui é: por que essas empresas, por mais que se desvirtuem do caminho que o mercado julga como certo retornam aos seus patamares, e a Nintendo, desde a época do Wii, e agora com seus dois consoles não consegue o aval de praticamente ninguém (adota-se o termo ninguém como as empresas ocidentais de videogames, pois no Oriente o 3DS ainda tem uma chama bastante sólida acesa). Vejamos com números o que foi apresentado até agora nesta E3 e depois explicaremos a situação pela qual a empresa se passa.



Durante a E3 de 2015, a maior feira do entretenimento eletrônico, realizada em Los Angeles, praticamente todas as mais imponentes empresas do ramo mostraram seus trabalhos e o que está por vir neste meio de ano e no início do próximo para todas as plataformas disponíveis no mercado; PlayStation 4, Xbox One, PC, Wii U, 3DS e os equipamentos móbile. Pegando as apresentações de Bethesda (de Doom e Fallout), Square Enix (Final Fantasy e Dragon Quest), Ubisoft (Assassin’s Creed e Watch Dogs) e Eletronic Arts (FIFA), quatro empresas de renome no mercado, NENHUMA, volto a dizer, nenhuma teve um título sequer renomeado para as plataformas da Nintendo. E foram pesos pesados no mundo dos jogos, Dark Souls III, da Namco foi anunciado pela conferência da Microsoft, mas será multiplataforma, Fallout 4 e Dishonered 2 serão do trio PC-ONE-PS4, Final Fantasy VII completamente remasterizado para a Sony e PC, assim como Street Fighter V da Capcom, o novo Tom Clancy’s, da Ubisoft, também estará engatilhado neste trio. Para a Nintendo, apenas um game, Just Dance 2015, este que será lançado também para o seu antecessor. No fundo, o que tudo isso quer dizer?


A primeira verdade a ser dita é que: não, não é de exclusividades que um console de mesa ou portátil vende, mas sim pela sua biblioteca integral de jogos. Claro que falar isso, numa frase tão curta sem explicar deixaria vago para que pessoas interpretassem de maneira errada, chegando inclusive a frases como (mas Mario e Zelda são as franquias da Nintendo, é o que vende nela!). De fato, exclusivos são importantes para diferenciar uma plataforma de outra, mas e quando nem mesmo os títulos de multiplataformas, que em tese deveriam sair em todas as plataformas, não saem naquela em específico, é o mercado que está errado, ou é a empresa que não anda por um bom lado? Numa maneira fácil de falar mais tendo uma lógica de economia por trás, seria o seguinte: cada individuo tem o seu próprio gosto, e fará as suas escolhas de forma subjetiva, tendo três consoles a disposição, é claro que esta pessoa analisará os prós e os contras e, de acordo com o quanto ela possui para gastar, comprará aquilo que mais lhe agradar. Em um mundo sem multiplataformas, os exclusivos seriam os únicos membros desta equação, e então sim, seria fácil saber as escolhas vistas que seriam as empresas que produzem os consoles as responsáveis por também produzir seus jogos. Quando se coloca então os multis no meio da equação, percebe-se que o console que não possui sequer estes jogos fica a mercê de suas próprias exclusividades, e isso é claro não o tornará mais atrativo para os jogadores em geral. (Por que eu teria um videogame que tem bons exclusivos, mas que outros lançamentos muito bons jamais chegarão a minha plataforma, se eu também tenho outra marca com exclusivos legais e que tem tudo que as terceirizadas estão fazendo?) Entendem a lógica!

 A situação para a Nintendo só não é pior pois a Sony não conseguiu decolar no mercado o PlayStation Vita, sua versão portátil de videogame, pois embora não pareça tanto, o 3DS sofre da mesma carência que seu irmão mais robusto de mesa. Quantos jogos de outras empresas, excluindo é claro as orientais (e pode-se colocar elas também, verá que apenas Atlus e alguns jogos da Square Enix e Level-5 chegam) surgem no 3DS senão os da própria Nintendo? É fácil contar no dedo.... No Wii U então, sobram-se os dedos nesta triste conta. Como contra ponto, o exemplo do Xbox One é incrivelmente igual, mas também o oposto na matéria de tentar “arrumar o que já estava ruim”. Em seu período de lançamento, o XOne não embalou tanto quanto o PS4, e a principal crítica era a falta de títulos. Rapidamente, a Microsoft foi esperta o suficiente para apaziguar todas as inimizades que poderiam existir e tratou de sentar e conversar com todas as empresas que poderiam lhe ajudar, inclusive as orientais, o ponto mais fraco da norte-americana. De tantas conversas e formas de auxílio, jogos começaram a aparecer para a plataforma, seja de forma exclusiva quanto temporária, mas se mostravam e fazia o Xbox One uma plataforma bem mais competente. A Microsoft conseguiu retornar o seu console a um formato que agradava tanto ao público em potencial quanto a quem trabalhava em seu sistema, algo que novamente a Nintendo não conseguiu perceber e manteve o seu erro. Não é raro ver em empresas terceirizadas a dificuldade de relacionamento com a Nintendo.
 A situação para a Nintendo só não é pior pois a Sony não conseguiu decolar no mercado o PlayStation Vita, sua versão portátil de videogame, pois embora não pareça tanto, o 3DS sofre da mesma carência que seu irmão mais robusto de mesa. Quantos jogos de outras empresas, excluindo é claro as orientais (e pode-se colocar elas também, verá que apenas Atlus e alguns jogos da Square Enix e Level-5 chegam) surgem no 3DS senão os da própria Nintendo? É fácil contar no dedo.... No Wii U então, sobram-se os dedos nesta triste conta. Como contra ponto, o exemplo do Xbox One é incrivelmente igual, mas também o oposto na matéria de tentar “arrumar o que já estava ruim”. Em seu período de lançamento, o XOne não embalou tanto quanto o PS4, e a principal crítica era a falta de títulos. Rapidamente, a Microsoft foi esperta o suficiente para apaziguar todas as inimizades que poderiam existir e tratou de sentar e conversar com todas as empresas que poderiam lhe ajudar, inclusive as orientais, o ponto mais fraco da norte-americana. De tantas conversas e formas de auxílio, jogos começaram a aparecer para a plataforma, seja de forma exclusiva quanto temporária, mas se mostravam e fazia o Xbox One uma plataforma bem mais competente. A Microsoft conseguiu retornar o seu console a um formato que agradava tanto ao público em potencial quanto a quem trabalhava em seu sistema, algo que novamente a Nintendo não conseguiu perceber e manteve o seu erro. Não é raro ver em empresas terceirizadas a dificuldade de relacionamento com a Nintendo.
Resta para a Nintendo a seguinte questão: ou ela muda completamente o foco a que se dispõe trabalhar com outras empresas ou será consumida pouco a pouco pelo mercado de jogos. Se antes não tínhamos tanta conectividade quanto agora, com pessoas conseguindo jogar e falar do Japão ao Brasil em uma partida de corrida ou de tiro em primeira pessoa; fica difícil se manter fora de um círculo que se tornou trivial (gráficos; interatividade online). Ainda mais difícil é criar inovação. Não sou contra a inovação, a área das idéias é incrivelmente bela ao ponto de criar perfeitas obras primas. O problema é que da mesma forma que você colhe os louros de uma excelente e brilhante idéia, você pode amargar algo que o público não considerou assim tão inovador ao seu tempo. Quem diria, por exemplo, que o DS seria um sucesso como foi? Um apoio grande, de jogos de todos os tipos (até mesmo o Call of Duty, da Activision, produzido pela N-Space tinha qualidade, não igual aos consoles, mas tinha) e de todas as empresas praticamente, a já citava Activision, Konami, Capcom, Ubisoft. O Wii, embora sofrendo também com a falta de títulos também recebia vez ou outras versões de jogos multiplataformas (ele ainda recebia, o Wii U não recebe NADA).

Nesse cenário, uma medida de médio e longo prazo para que a Nintendo não passe mais por isso seria aumentar primeiramente os seus estúdios internos. Sabemos que a poupança da empresa é grande devido as suas divulgações de patrimônio e tudo mais, e nada melhor do que investir na própria imagem em tempos em que se deve mostrar tão inovadora quanto à empresa sempre ousou ser. Estúdios mais amplos em número e em trabalhadores reduziriam as janelas para lançamentos da empresa, e esta “seca” que o Wii U e possíveis novas plataformas não venham a enfrentar, ou se realmente acontecer de forma bem mais branda, mesmo que no pior dos cenários, nenhum jogo de terceirizadas viesse ao seu sistema (o que de fato acontecesse). O segundo ponto é parar, sentar e rever suas táticas para com estas mesmas empresas. O que elas querem? Realmente podemos trabalhar juntas e conseguir agradar a todo um mercado? Conseguiremos lucros com estas parcerias? O que falta na Nintendo hoje é exatamente olhar ao passado e perceber que seus exclusivos são bons, mas que, se não acordar e entrar no jogo que ela um dia já foi mestre será apunhalada por todos os lados sem nenhum aliado ao seu lado. A escolha da Nintendo só depende dela mesma, resta começar a pequenos passos esta mudança.
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...