quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Mighty Switch Force! Análise do Jogo.

Mighty Switch Force! Análise de Jogo.



Entre monstros, belas loiras fugitivas e pedras perigosas, a jovem policial terá sua curta aventura testada.

Mighty Switch Force! é o típico game que a primeira vista lembra um clássico inegável, Metal Slug. Embora sem todas aquelas explosões, armas e soldados inimigos prestes a acabar com a sua alegria, o título do Nintendo e-Shop e o primeiro criado pela WayForward para o Nintendo 3DS consegue manter a qualidade conquistada nos jogos digitais da empresa, como Shantae e Mighty Flip Champs (ambos do DSiWare). Inicialmente, o game possuía apenas 16 fases, no entanto, como uma espécie de “upgrade” foi adicionado um tempo depois pela própria WayForward uma espécie de DLC gratuito que dava o direito de mais 5 fases bônus logo o término das fases principais. Com uma crescente escala de dificuldade, o game tem seu ápice nas últimas fases do modo principal e de seu modo bônus, onde a velocidade e a percepção do jogador são postos a prova a todo instante. Para os mais audaciosos e que gostam de bater recordes, o título conta com um cronômetro com um tempo automático já estimado para completar a fase, que pode ser alterado caso o jogador passe por todas as fases em um menor tempo. 

Mas a grande questão de Mighty Switch Force! é; custando apenas R$ 9,99, ele poderia ser um título considerado bom e recomendado para todos?? Pois é isto que iremos ver nesta análise!









APROVADO:




Beldades em fuga! É hora da polícia ser acionada:

Não! Isto não é um filme de comédia, é basicamente a premissa da história de Mighty Switch Force! Você, na pele da jovem policial Patricia Wagon deverá capturar 5 [belas] fugitivas que estavam sob sua custódia em um carro de penitenciária que, por motivos desconhecidos acabou sofrendo um acidente, deixando todos as presidiárias soltas pela cidade. Porém, antes de ir embora, uma das ex-detentas joga no chão uma espécie de poção que cria as mais bizarras criaturas, como morcegos clorofilados (verdes), bombas rosadas e uma espécie de dinossauro brasileiro (já que é “verde e amarelo”) e são estas as criaturas que o jogador deverá tomar um grande cuidado no decorrer das fases. Embora não obrigatório, caso o jogador fique com alma de exterminador de quase animais, estes seres, ao serem derrotados podem render a jovem Patrícia corações para recuperar o seu nível de energia, cujo máximo é três. No entanto, vale uma ressalva, nem todos os seres encontrados podem ser mortos apenas com a arma a laser da policial, o dinossauro, por exemplo, só é retirado de campo se bater sua cabeça em uma pedra ou se for esmagado por ela. E são em todas as fases, que a policial além de enfrentar estes seres, tem o dever de capturar as cinco fugitivas, que estarão espalhadas em pontos específicos do cenário.

Olha a bola de canhão vindo aí gente!

Cenários que podem te esmagar de raiva!:

Um dos destaques de Mighty Switch Force! é com toda certeza o seu desempenho gráfico. Com apresentação de Sprites que lembram games como Pokémon, o jogador, as detentas e todos os seres incluídos no cenário receberam um trabalho caprichado. Porém, é no cenário das fases que o visual do título tem o seu status máximo. Ao longo das fases, o cenário se divide em três planos, algo que é ainda mais acentuado com o efeito tridimensional nativo do portátil. No primeiro plano temos... a tela do próprio portátil (isso vai ser explicado mais tarde), no segundo temos o universo onde Patrícia sai a procura das fugitivas e o terceiro plano é onde temos uma espécie de área invisível atrás do segundo plano. Mas por que tantos planos diferentes? Simples, o game, embora tenha características do gênero de plataforma é também uma mistura com o gênero puzzle. Logo nas primeiras fases o jogador verá pedras marrons “comuns” e “transparentes”, e é com essas pedras que a premissa de planos se torna uma grande idéia. Para se locomover entre as pedras, o jogador deve apertar o botão A para que as pedras marrons se transformem em transparentes e vice-versa (em outras palavras, as pedras mudarão de planos automaticamente), o grande problema é que se por acaso Patrícia “se atrasar” nesta troca, ela poderá ser literalmente esmagada pelas rochas no primeiro plano, a tela do portátil. Porém, se você pensa que somente as pedras que se utilizam desta funcionalidade, está redondamente enganado, no decorrer das fases aparecerão monstros que só poderão ser derrotados esmagando-o, além de alavancas e pedras especiais, em que o jogador deverá pensar com cautela onde quer se meter antes de sofrer as conseqüências de ser esmagado.

Uma escalada de dificuldades:


Como colocado no início do texto, Mighty Switch Force! possui uma “escalada” no seu nível de dificuldade, variando de acordo com cada fase que o jogador consegue passar. Dentre as 16 fases, o jogador não encontrará muitos problemas para atravessar pelo menos metade delas. No entanto, é por volta da décima fase que as coisas começam a complicar bastante; são novas plataformas (desta vez, nas cores vermelha e azul) que, juntamente com as pedras marrons devem formar a plataforma adequada para que o jogador possa passar. Se na metade do jogo a dificuldade aumenta significativamente, é na última fase que um simples jogador será colocado em risco o tempo todo. Diferente do que ocorria em todas as fases antecessores, agora, ao invés de apertar o botão A para mudar o plano das plataformas, o capacete de Patrícia fará isso automaticamente de 3 em 3 segundos, ou seja, o jogador terá este tempo para reagir as diferenças de cenário no game. Por fim, temos o [único] chefão, uma espécie de alien que consegue fazer o que a jovem policial não conseguiu durante a aventura inteira, capturar as belas bandidas. Para “zerar” o game, basta derrotá-lo para que todos os créditos apareçam na tela.

Agora, canhões de plasma acertam bombas andantes!
Terminou já?.... Ainda não!


Quando lançado, Switch Force apresentava singelamente um total de 16 fases, algo que para um jogador que adora desafios, daria em torno de 2 á 4 horas de jogatina incessante, algo considerado pequeno, até mesmo para um game produzido para a rede online de um portátil. Ouvindo o apelo do público, a WayForward, lançou, sob o aval da própria Nintendo, uma espécie de DLC gratuito a todos aqueles que já tinham obtido o game e o introduziu nas novas versões que seriam compradas. Foram assim anexado no jogo original um total de 5 fases bônus. Não parece grande coisa, mas graças ao nível bastante avançado de dificuldade nestas versões bônus, o jogador terá algum tempo a mais para esquentar os seus miolos para enfim recapturar de vez as loiras fugitivas. Se você, mesmo assim, acha que esse jogo não merece o seu suado dinheirinho por ser muito “curto” está entre termos enganado. O jogo, para o padrão de outros já lançados, apresenta realmente uma longevidade bem pequena, contudo, para os mais audaciosos, há a possibilidade de quebrar todas as marcas de tempo nas 21 fases existentes, além de contar com uma potência maior de sua arma, que “pulveriza” completamente qualquer inimigo e barreiras existentes. Esse upgrade na arma do jogador só é conseguido quando o jogador destrava as fases bônus vencendo todas as 16 principais e pode ser desativado a qualquer momento.



REPROVADO:




Agora sim, acabou!

Mesmo com a adição de cinco fases bônus e com todo poder de repetição para melhorar o seu resultado que Mighty Switch Force! produz, não podemos tirar a sensação de “quero mais” que o game deixa ao fim de seu último estágio. São tão rápidas as 21 fases (excluindo-se as os possíveis problemas de dificuldade) que ao final do game, apenas os jogadores mais “entusiasmados”, que adoram fechar com chave de ouro absolutamente qualquer desafio se renderá a tentar cronometrar os seus novos tempos no jogo. No entanto, para os jogadores que gostam apenas de uma leve “jogatina”, a própria possibilidade de refazer todas as fases apenas pelo tempo pode se tornar um aspecto não muito agradável, já que praticamente nenhuma recompensa significativa é dada ao jogador e acaba deixando o jogo bem mais repetitivo, já que você estará fazendo tudo (tudo mesmo!) da mesma forma que fez na primeira vez, serão os mesmos monstros, as mesmas plataformas e os mesmos esconderijos das loiras fugitivas, o que acaba fazendo o jogo perder uma parte de sua graça neste aspecto. Um conselho dado por muitos jogadores foi a possibilidade de a WayForward continuar produzindo fases bônus para o título, afim de que ele mantenha uma longevidade cada vez maior, porém, nada de oficial foi mencionado ainda, o que pode dizer que o interesse de DLC’s, sejam gratuitas ou pagas não passam pela cabeça do alto escalão da empresa ou simplesmente “não querem”.





VEREDITO:


Entre monstros, belas loiras fugitivas e pedras perigosas, a jovem policial terá sua curta aventura testada:

Mighty Switch Force é um game que não merece ser taxado de mediano e muito menos de ruim. Com uma premissa simples, assim como a sua parte gráfica (que mesmo assim, possui um certo charme) o título mantém uma imagem de muito bem trabalhado por sua desenvolvedora, o que acaba deixando o legado da WayForward mais evidente a cada ano no quesito das plataformas Nintendo. Ainda assim, embora a utilização do efeito 3D pudesse ser melhor utilizada, a idéia de mudança de planos em um jogo que mescla plataforma em 2D e puzzle caiu como se fosse uma luva feita sob encomenda; os cenários ganharam vida, os monstros, em especial os que eram amassados acabavam mostrando a ilusão de que realmente existia um mundo inteiro naquela telinha do 3DS.Porém, não era somente os monstros os esmagados, com toda certeza, com o avanço das fases e o maior nível de dificuldade, ao menos uma vez, o jogador teve ou terá a triste reação ao ver a jovem policial Patrícia ser amassada entre as pedras e a parede formada pela tela do portátil. No entanto, mesmo com esses fortes pontos, o jogo acaba esbarrando de forma séria em sua longevidade. Basicamente, em menos da metade de um dia, uma pessoa, jogando direto pode terminar todas as 21 fases, sendo que depois, como incentivo, terá apenas um pequeno cronômetro que ele “pode” tentar alterar se passar mais rápido do que o estipulado. Enfim, Mighty Switch Force! é um game que embora tenha ganhado aparência de “curto” e “repetitivo” diverte bastante enquanto dura e deve ser uma boa promessa, especialmente para os que gostam de um bom desafio, com fases cada vez mais difíceis. Se você gosta de desafios e de jogos em plataforma bidimensionais, este game pode te agradar!



NOTAS:






Análise oficialmente lançada no dia 23 de Julho de 2013, e reformulada no dia 25 de Novembro de 2015.
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...